Seu trabalho como médico te faz perder momentos da vida?

Tempo de leitura: 4 minutos

De acordo com o estudo “Panorama Financeiro do Médico” do Afya, um médico trabalha cerca de 52 horas semanais, podendo variar de acordo com o momento da sua carreira. Mas, para além das obrigações profissionais, esse tempo ainda é acrescentado com a sua organização financeira.

Juntando tudo, são muitas horas que o médico passa envolvido com obrigações que deixam pouquíssimo tempo de sobra para cuidar de questões pessoais.

Como profissional da saúde, você deve entender que jornadas de trabalho longas são prejudiciais para as pessoas. Por isso, não caia nessa cilada e venha entender como conquistar mais tempo livre otimizando as suas obrigações trabalhistas.

Como as longas jornadas de trabalho podem ser prejudiciais?

Um estudo conduzido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) revelou que longas jornadas de trabalho podem representar um risco à vida das pessoas.

Usando dados de cerca de 190 países durante os anos de 2000 a 2016, o levantamento mostrou que profissionais que trabalham mais de 55 horas por semana têm o risco de morte por acidente vascular cerebral (AVC) aumentado em 35% e o por doenças cardíacas, em 17%. 

Os dados reunidos pelos pesquisadores indicaram que, entre 2000 e 2016, o número de óbitos por doenças cardíacas relacionadas a longas jornadas de trabalho aumentou em 42%, enquanto, no caso dos AVCs o crescimento foi de 19%. A maioria das mortes registradas é de pessoas que tinham entre 60 e 79 anos. Elas perderam a vida mais de 10 anos depois da jornada estafante.

Quantas horas, no máximo, um profissional da saúde pode trabalhar?

É comum que profissionais da área da saúde acumulem muitas horas de trabalho, isso se deve à precariedade de muitos hospitais e clínicas, à falta de pessoal naquele local para suprir as necessidades ou mesmo a situações extraordinárias, como a recentemente pandemia de covid-19.

De toda forma, a Lei nº 3.999, de 15 de dezembro de 1961, estabelece que médicos e dentistas que atuem com vínculo empregatício não devem extrapolar o limite de 20 horas semanais de trabalho. 

E caso esses profissionais realizem horas extras, essas não devem ultrapassar o máximo de duas horas diárias, sendo também devidamente remuneradas. Além disso, a cada 1 hora e 30 minutos de trabalho, deve haver 10 minutos para pausa e descanso. 

E quando o profissional atende em locais diferentes?

Muitos profissionais da saúde entendem em mais de um lugar, seja em clínicas, consultórios particulares, serviços públicos de saúde e etc. Sendo assim, a sua carga horária vai extrapolar e muito as 20 horas semanais.

De acordo com Superior Tribunal de Justiça (STJ), para esses casos deve ser considerado que o médico ou médico residente não pode trabalhar mais do que 60 horas semanais. Esse é o limite imposto legalmente, incluindo horas extras. 

Portanto, quem atua em em mais de um local deve trabalhar no máximo 6 horas diárias. No entanto, esse limite pode ser prorrogado por até 2 horas, tanto por meio de acordo escrito, quanto em casos de emergência.

O que acontece em casos de plantões médicos?

Trabalhar por meio de plantões é bastante comum na área médica, então você pode estar se perguntando como deve ser a carga horária de um plantonista? Bom, segundo a lei, o profissional da saúde pode fazer plantões de 12 ou 24 horas ininterruptas.

De acordo com as regras do regime CLT, para cada 6 horas de trabalho, o trabalhador tem direito a uma hora de intervalo, para poder se alimentar e descansar. 

Porém, se esse não for o seu caso é possível acordar com o seu local de trabalho as horas necessárias para descanso, pois isso deve preservar tanto a sua integridade quanto as dos seus pacientes.

Como a Conta Médica pode ajudar?

Além de ter que se preocupar em atender os seus clientes com excelência, o médico ainda precisa fazer o seu gerenciamento financeiro. Isso irá acontecer, pois de acordo com o “Panorama Financeiro do Médico” do AFYA cerca de 51,5% dos médicos são contratados com regime PJ, o que traz uma série de demandas financeiras como emissão de notas fiscais, pagamentos de impostos, apuração e etc. 

No entanto, a maior parte dos profissionais não são ensinados a resolver esses problemas, pois não faz parte da sua especialidade. Isso gera diversas dores de cabeça e faz com que o médico perca ainda mais tempo. 

Portanto, se você se encontra nessa situação e deseja ter uma empresa responsável por cuidar da sua saúde financeira, a CM pode te ajudar! Nossos serviços são voltados para a desburocratização da vida dos médicos, automatizando os processos financeiros diários, como pagamento de impostos, cobrança de recebíveis e mais, deixando mais tempo livre para você.

Gostou do nosso artigo e ficou interessado nos serviços da Conta Médica? Entre em contato conosco hoje mesmo e saiba mais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.